Fortalecimento x Corrida

Para você que corre ou prática qualquer atividade de alto impacto, os  exercícios de fortalecimento são muito importantes.

Trabalhar os membros inferiores é fundamental para um bom desempenho no esporte. Uma das regiões que devem ser muito exercitadas são os exercícios para região dos glúteos​.

Principalmente para os praticantes da corrida, por ser uma atividade tão repetitiva.

A falta de exercícios para os glúteos tornam a corrida mais impetuosa e isso pode ocasionar sérias lesões, desde a fascite plantar, problemas na panturrilha, articulação de quadril e  até dores no joelho. 

Portanto procure conciliar atividades de fortalecimento, pelo menos duas vezes por semana, para evitar lesões que possam tirar você por longo períodos de treinamentos.

 

Jackson Andrey do Nascimento – CREFSC: 0460-G/SC
Especialista em Avaliação e Prescrição de Exercícios Físicos – Lins/SP

 

Workshop: Biomecânica da Corrida

Curso realizado dia 27 de agosto de 2016, ótimo workshop trazendo novas atualizações sobre a biomecânica da corrida abordando a eficiência e mecânica da corredor,  cadência, novos educativos de corridas, fortalecimento muscular e alongamentos.

A grande vantagem da melhora da eficiência da corrida, é que proporciona ao corredor um menor desgaste mecânico e fisiológico, bem como a diminuição de lesões.

IMG_20160827_202129

 

Com os palestrantes Fisioterapeutas Cássio Bessa e Fábio Ciqueira e com professores João Martins e Marcus Nascimento.

Jackson Andrey do Nascimento – CREFSC: 0460-G/SC
Especialista em Avaliação e Prescrição de Exercícios Físicos – Lins/SP

Corrida. Porque treinar com planilha?

A corrida está cada vez mais difundida. Vimos pessoas de todas as idades e com os mais variados objetivos treinando nas ruas e parques das cidades.

Alguns correm diariamente repetindo o mesmo treino e outros só treinam quando a consciência pesa.

Muitos já procuram orientação de um profissional para fazer a gestão de seu treinamento e começam a seguir uma planilha periodizada. Mas qual a diferença de se fazer isso?

Primeiramente os dois extremos, o atleta que segue uma planilha não tem seu treino estagnado e não cai numa rotina de treino, a grande maioria. E também não peca pelo excesso, o que reduz consideravelmente os riscos de lesões decorrentes do treinamento.

Isso ocorre porque a planilha, além de ser individualizada, leva em consideração vários cálculos de progressão de treino, como volume, intensidade, carga e densidade. Ou seja, as distâncias, velocidades e intervalos de descanso são variáveis, conforme algumas regras dos princípios do treinamento desportivo.

Considero como maior diferencial de se treinar seguindo uma planilha a questão motivacional. Isso porque os treinos são planejados e traçamos metas a curto, médio e longo prazos. O ideal é traçar uma meta arrojada e desafiadora a longo prazo e junto dela, outras metas de curto e médio prazos como etapas do objetivo principal.

Bons Treinos!!

Jackson Andrey do Nascimento – CREFSC: 0460-G/SC
Especialista em Avaliação e Prescrição de Exercícios Físicos – Lins/SP